novembro 2021 Inovação, reformas e retomada no pós-pandemia são destaque no 2º dia do Airport National Meeting

Executivos de algumas das mais importantes concessionárias de aeroportos compartilharam, no segundo dia de programação do Airport National Meeting 2021, sua preocupação com a morosidade no encaminhamento das reformas administrativa e tributária e o peso negativo do tema na manutenção da competitividade do setor aeroportuário brasileiro.

A presidente da Fraport Brasil, Andreea Pal; o Diretor Executivo de Novos Negócios da CCR S.A., Gustavo do Canto Lopes, e o Diretor Presidente da Centro-Oeste Airports, Marco Antonio Migliorini, participaram do painel “Ambiente de Negócios do Brasil: Oportunidades e Desafios para Investidores Internacionais” e revelaram impressão comum a respeito do atual cenário do país, frisando que o atraso nas reformas e a incerteza econômica, quando somados aos impactos da pandemia, comprometem as perspectivas de crescimento do setor.

Ao fazer um balanço dos 10 anos do programa de concessões, eles destacaram as ondas de avanços de cada fase e concluíram que o potencial de mercado do Brasil permanece muito significativo, o que explica a manutenção dos investimentos, ainda que o país esteja longe de oferecer condições ideais para parceiros internacionais. No encontro mediado pelo Diretor de Aeroportos (Américas) da IATA, Filipe Coutinho Pereira dos Reis, todos frisaram que há melhorias nas concessões. Mas pedem maior flexibilidade nos contratos e uma visão de longo prazo, que leve em conta os 30 anos de concessão. Também clamam por diretrizes mais claras para as obrigações relacionadas ao processo de Consultation, além de uma revisão dos medidores de qualidade, para que não fiquem excessivamente baseados na avaliação dos passageiros.

 

Tecnologia na ordem do dia

Dois outros painéis movimentaram a agenda do Airport National Meeting. Logo no início da manhã, em encontro mediado pelo representante do Brasil na ICAO, Embaixador Norberto Moretti, foram apresentadas atualizações importantes relativas à visão da International Civil Aviation Association (ICAO) sobre inovação. Diante das aceleração da transformação digital provocada pela pandemia, a entidade reconheceu a necessidade de estar cada vez mais próxima da indústria – isto é, da iniciativa privada – para acompanhar o desenvolvimento de produtos e serviços que possam beneficiar os aeroportos.

Os representantes permanentes no Conselho da ICAO para Índia, Shefali Juneja (que preside o Comitê de Inovação); para Cingapura, Eileen Poh, e para a Espanha, Victor Aguado, trouxeram impressões para este momento e asseguraram que a Organização estará focada na sua missão de manter orientações e trabalhar pela padronização de processos que afetam a aviação civil, mas sem criar barreiras para que soluções inovadoras cheguem o mais rapidamente possível ao dia a dia dos aeroportos.

No último painel desta terça-feira, cuja mediação ficou a cargo da Diretora do Departamento de Planejamento e Gestão da Aviação Civil (Secretaria da Aviação Civil), Fabiana Todesco, foi a vez dos representantes das entidades setoriais trazerem suas impressões sobre a conjuntura atual e destacar as perspectivas do setor aeroportuário brasileiro para a retomada pós-pandemia.

Após as considerações sobre a cobertura vacinal já obtida pelo Brasil e a necessidade de evitar medidas drásticas, como fechamento de fronteiras, mesmo tendo como ponto de atenção o surgimento da variante Ômicron, os participantes destacaram que, graças ao gradual adensamento do fluxo de passageiros em rotas domésticas, já é possível vislumbrar um cenário que pode ser definido como “de recuperação”.

Mas, alertaram para a necessidade de se entender o comportamento dos passageiros, com novas demandas por segurança e por soluções digitais, e de tratamento pragmático em relação aos passivos acumulados em decorrência da pandemia. De modo geral, as apresentações foram otimistas, especialmente quando referidos os esforços de coordenação entre atores públicos e privados, o planejamento conjunto para o enfrentamento da crise e a adoção de inovações tecnológicas, constituindo um legado de ação que faz do Brasil uma referência global e que será fundamental para a retomada.

Participaram do painel o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo (ABESATA), Ricardo Aparecido Miguel; o diretor geral das Associação da Aviação Geral (ABAG), Flavio J. V. Pires; o presidente da Associação Nacional das Concessionárias de Aeroportos Brasileiros (ANCAB), Mario Portela; o presidente da Junta de Representantes das Companhias Aéreas no Brasil (JURCAIB), Robson Bertolossi, e o diretor de Segurança e Operações de Voo da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Ruy Amparo.

A programação do Airport National Meeting continua nesta quarta-feira (01), com mais três painéis, desta vez temáticos e oferecidos pelo Estado de Alagoas, pelo Serpro e pela Huawey. Para saber mais acesse www.airportnm.com.

A participação é gratuita e o evento pode ser acompanhado pelo YouTube do ANM 2021 ou da Aviation TV. Ou ainda na plataforma do ANM 2021 em www.airportnm.com.

Associados Dados do setor Contato

SHS Quadra 06, Complexo Brasil 21
Torre A, Sala 207 Asa Sul, Brasília
CEP: 70.316-102
Telefone: (61) 3039-9561

Sigam-nos!
© 2019 ANEAA - Todos os direitos reservados