Notícias



Aeroporto de Brasília é o que mais melhorou no último ano, na opinião dos passageiros

Moradora de Recife (PE), a professora Maria da Conceição Alves de Andrade aprecia o conforto durante suas viagens. Gosta de ser bem tratada e fica atenta à prestação de serviços nos aeroportos. Ela admira, também, itens como organização, limpeza e informação. Tais aspectos levam a professora a considerar o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília (DF) um dos melhores aeroporto do País.

É exatamente isso que mostra a Pesquisa de Satisfação do Passageiro, realizada pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC-PR). O aeroporto de Brasília subiu 21% na avaliação, passando de uma nota média de 3,52 no primeiro trimestre de 2014 para 4,21, no primeiro trimestre de 2015, ficando em quarto lugar entre os 15 aeroportos responsáveis por 80% da movimentação no País e que fazem parte da pesquisa. O aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP) foi eleito o melhor pelos passageiros.

Entre os meses de janeiro, fevereiro e março foram entrevistadas, pela Praxian Consultoria, um total de 13.384 pessoas, que deram notas de 1 a 5 para 48 indicadores. No item Satisfação Geral do Passageiro, 81% das notas foram 4 e 5. No primeiro trimestre de 2014, a frequência dessas notas foi de 68%.

“Na primeira vez que passei por aqui (Brasília), na época em que o aeroporto ainda não havia sido concedido, as acomodações eram muito ruins. Eu me sentia incomodada com a bagunça. Agora, me sinto bem no aeroporto. Com a reforma, ele ficou perfeito, um dos melhores que já frequentei. Acho tudo organizado no check-in, no embarque, no desembarque”, conta a professora Maria da Conceição Alves de Andrade.

MELHORIAS

As ampliações e reformas que contribuíram para o crescimento constante do terminal incluem aumento no número de vagas do estacionamento, que passou de 1.234 para 3.300 vagas, sendo 250 cobertas; chegada de três novos carros de bombeiros da empresa Rosembauer, modelo Panther, num investimento de R$ 5 milhões do consórcio em segurança; implementação dos totens compartilhados de autoatendimento; balcão de Informações 24 horas com atendimento bilíngue; reforma completa do Terminal 2; entrega das principais obras de expansão – o Píer Sul e o Píer Norte, salas de embarque com 10 e 8 novos fingers, respectivamente; construção do novo posto médico; e nova área para os taxistas.

O Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek teve outras melhorias, como o conserto e manutenção de escadas rolantes e elevadores – os equipamentos passaram por avaliação técnica e foram investidos R$ 450 mil em reposição de peças; a chegada de mais 1.500 carrinhos de bagagem – foram entregues mil novos carrinhos e outros 500 que estavam fora de circulação foram reformados. Desse modo, o total de carrinhos passa de 2.500 para 4 mil.

Além disso, houve a reforma e construção de novos sanitários; a reforma do embarque internacional; a construção de novo canal de controle de inspeção de embarque doméstico – agora, os 8 equipamentos de raios-x ficam agrupados com o objetivo de reduzir o tempo de fila; a reforma e modernização do Terminal de Cargas; a construção da Sala VIP de 1.500m² e capacidade para atender até 300 passageiros simultaneamente; a revitalização e implantação de pistas e taxiways; e a construção de novos sanitários nas áreas de desembarque, check-in e saguão de embarque, entre muitas outras obras.

INVESTIMENTO

Tudo isso, claro, custa dinheiro. O investimento total previsto durante a concessão – que começou em 1º de dezembro de 2012 – no Aeroporto de Brasília é de R$ 2,85 bilhões. Até a Copa do Mundo de 2014 foram investidos cerca de R$ 900 milhões. Durante todo o ano passado o investimento foi de R$ 1,5 bilhão. Com tanta obra, a capacidade do Aeroporto de Brasília passou de 16 milhões de passageiros por ano para 21 milhões em 2014 e deverá chegar a 41 milhões na última fase da concessão, em 2037.

No ano passado, a média no aeroporto foi de 15.322 pousos e decolagens por mês, 510 por dia. Foram 183.874 pousos e decolagens em 2014 – 96.5% voos domésticos e 3.5% voos internacionais. A média de movimento diário foi de 49 mil passageiros: 28,5% de embarques, 26,5% de desembarques e 45% de conexões. E movimento total de 2014 foi de 18.1 milhões de passageiros, um aumento de 10% em relação a 2013.

Tanta gente embarcando poderia transformar o local em um caos. Não foi o que aconteceu, segundo o projetista Edmilson Leandro, 38 anos. Ele frequenta bastante o aeroporto de Brasília – pelo menos oito vezes por ano ele visita a cidade. “O aeroporto ficou bem mais clean, tem mais funcionários trabalhando. Em relação à infraestrutura, houve melhoras. O aeroporto era um cubículo, aumentou de tamanho e agora, realmente, representa a capital do País e pode atender melhor o fluxo de passageiros em Brasília”, acredita.

Além de Brasília, os outros aeroportos concedidos são: Guarulhos (São Paulo), Galeão (Rio de Janeiro), Viracopos (Campinas-SP), Confins (Minas Gerais) e São Gonçalo do Amarante (Rio Grande do Norte).

CONFINS

Confins, aliás, teve um aumento de 12% na nota dada pelos usuários na pesquisa, no primeiro trimestre deste ano, chegando a 3,88 – empatou com Manaus (Infraero) em segundo lugar na relação dos aeroportos que mais melhoraram em relação a si próprios. No mesmo período do ano passado, a nota média do aeroporto mineiro foi de 3,47, o que levou Confins a ficar em penúltimo lugar entre os 15 aeroportos. “A infraestrutura de Confins também está melhorando. As áreas de check-in e embarque ficaram mais rápidas, fazendo com que a gente perca menos tempo”, explica o projetista Edmílson Leandro.

A mesma percepção tem o técnico em segurança Anderson Jesus da Silva, 41 anos, em relação ao Aeroporto de Brasília. Morador de Campinas (SP), ele aproveita para elogiar vários setores do terminal da capital, como a comodidade e a segurança. “Há muitas vagas no estacionamento, agora. O estacionamento aumentou. E, também, há muitas cadeiras na sala de espera e na área de embarque. Isso é bacana, já vim umas quatro vezes em Brasília e, nas primeiras vezes, o aeroporto era muito inseguro, dava medo. A segurança está bem melhor. Nas primeiras vezes que eu vim aqui eu procurava sair logo do aeroporto, para não sofrer nada”, confessa.

O técnico em segurança também percebeu as mesmas mudanças no Aeroporto de Viracopos, em Campinas. Segundo ele, a infraestrutura é melhor, após a concessão e expansão do empreendimento. “Todos os aeroportos deveriam ser concedidos. As melhorias provam que essa iniciativa dá certo”, defende Anderson Jesus da Silva. Viracopos, aliás, subiu 9% na Pesquisa de Satisfação do Passageiro, passando de uma nota média de 4,01 no primeiro trimestre de 2014 para 4,38, no primeiro trimestre de 2015, ficando em primeiro lugar, no período, entre os 15 aeroportos responsáveis por 80% da movimentação no País e que fazem parte da pesquisa.

Após ser concedido, aliás, o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, passou de 4º para o 2º lugar em movimentação de passageiros dentre os aeroportos brasileiros, tornou-se o 3º maior aeroporto brasileiro em movimentação internacional e o 4ª maior aeroporto da América Latina.

 

Fonte: Secretaria de Aviação Civil
Foto: Jua Pita